LIMBO (2020)

O CONTATO
A ESPERA
A RUA
RUA COMO CASA
CASA COMO RUA
O SOM
O SILÊNCIO
A ESPERA DE QUÊ ESTAMOS AGORA?
RETORNAMOS PARA ONDE AGORA?
PARA QUEM?
QUE CONTATOS?
QUE CASA?
QUE RUA?
Criado a partir de imagens do trabalho Mercúrio Líquido, que já tem como proposta um deslocamento na percepção da rua como lugar de prazer e expansão através do sensível, o vídeo abre diálogos entre o estranhamento, a ludicidade, o gozo sensorial e a arquitetura do calçadão central da cidade de Juiz de Fora, na Rua Halfeld. Considerando o contexto urbano e as possibilidades existentes no período de sua gravação, as imagens tomam outro aspecto quando vistas com os olhos que temos no momento pandêmico atual. mergulhados em incertezas, após meses de distanciamento social e em transição para aberturas, ainda em meio a altas taxas de mortalidade e contaminação, procuramos e não encontramos respostas claras sobre os rumos que devemos tomar. Limbo propõe assim o reconhecimento e aceitação deste momento de borda. Que por sua própria indefinição abre portas para profundos e ricos caminhos de transformação.
Sobre Mercúrio Líquido: Mercúrio Líquido pesquisa intervenções artísticas a partir da presença de diversos corpos em situações de fusão com cenários urbanos. O trabalho levanta as seguintes perguntas: como criar contra-fluxos à cidade e às relações que a povoam? Como criar caminhos de resistência através do encontro, do acoplamento e do acolhimento a questões que surgem nesses percursos? Em tempos de ódio e separação, buscamos construir diálogos que surjam das relações entre diferentes corpos, abrindo caminhos de transformação alternativos ao embate direto.
projeto contemplado pelo edital na nuvem – funalfa, prefeitura de juiz de fora.
Direção | edição: Leticia Nabuco
Performance: Ayslan Melo, Rafael Costa, Rodrigo Medsan, Thalita Reis
Realização: Diversão & Arte Espaço Cultural